sábado, 9 de abril de 2011

O PREGADOR

Amados, hoje iremos falar  sobre o mais sublime chamado que nosso senhor faz a alguns do seus aprisco, para serem pregadores da sua palavra, em particular ao PASTOR também chamado do anjo da igreja, do profeta da igreja, homens que dedicam suas vidas  na leitura da palavra, na pesquisa, na meditação, de joelhos em terra, buscando ouvir a voz de Deus, para transmiti-las ao rebanho, sacrificando até mesmo o convívio com sua família, homens que se alegram e que choram com o rebanho, e em muitas vezes são criticados e incompreendidos, homens que pastoreiam mas que também precisam ser pastoreados, homens que, como Moisés, Elias,  Isaías, Daniel, Ezequiel,  Jeremias, Amós e o próprio Senhor Jesus foram chamados para anunciar a mensagem do Pai.

 

          "Pois, importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel ". (1Co 4. 1, 2)

 

John Stott, baseado na palavra de Deus afirmou "o pregador é um despenseiro dos mistérios de Deus, ou seja, da auto- revelação que Deus confiou aos homens e é preservada nas Escrituras". Isso significa que o pregador deve se colocar diante das pessoas com a grande responsabilidade de falar a mensagem de Deus. Walter Bovie declarou que "o pregador é o canal de comunicação do Deus vivo para a alma viva que está diante dele" e para o desempenho da sublime missão de falar em nome de Deus, deve estar muito bem preparado.

 

Pregar é a tarefa principal da igreja, por isso é impossível o cumprimento de tão elevada missão sem o devido preparo. Antes de Jesus Cristo, tivemos grandes pregadores citados no Antigo Testamento: Moisés, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniele Amós. A era da graça colocou a pregação em especial relevo. Jesus foi o maior dos pregadores, ele iniciou pregando a boa nova da chegada do reino de Deus e fez da pregação da palavra o centro do seu ministério, ele pregou durante toda a vida, pregou até na cruz, e depois de ressurreto continuou a pregar, durante seu ministério ele não só pregou mais ordenou que seus discípulos pregassem.

 

O pastor desenvolve inúmeras atividades em seu ministério, porém, nenhuma delas é tão importante, exigente e intransferível quanto a pregação. Do púlpito a mensagem de Cristo é proclamada, vidas são salvas e os salvos são edificados, doutrinados e santificados. A responsabilidade é tão grande que o apóstolo Paulo adverte "Procura apresentar-se a Deus, aprovado ,como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade" (2Tm 2. 15).

 

Jesus Cristo não é só a pessoa de quem o pregador fala, mas é a pessoa  que fala por intermédio do pregador. Assim a autoridade da pregação está na sua cristocentricidade. A mensagem é do Senhor, e pregar é tomar parte na palavra de Deus, é tornar-se cooperador de Deus. A responsabilidade do pregador como se vê é imensa. A vida do pregador deve ser de constante estudo. É de Charles Spurgeon o seguinte conselho ao pregador: "Domine seus livros, leia-os completamente, leia-os e releia-os, mastiga-os e digira-os".

 

O pregador por mais preparado que seja, precisa ter em mente que a finalidade da pregação não é agradar aos homens, mas ao Senhor, todos os recursos devem ser colocados a serviço do Senhor da pregação. Por outro lado, princípios homiléticos e retóricos  sem amor são "como o sino que ressoa ou como o prato que retine", qualquer pregador que não amar verdadeiramente seus ouvintes estará apenas fazendo barulho, como diz  Jilton Moraes.

 

Que Deus continue abençoando os nossos pastores na sublime tarefa de pregar a mensagem do nosso Senhor Jesus Cristo, lembrando que compete a toda igreja levar a mensagem de Boas Novas. - FONTE: HOMILÉTICA DA PESQUISA AU PÚLPITO – JILTON MORAES - Pb. Gilson dos Santos.

Overall rating
 

Um comentário:

Deto disse...

Pb. Gilson que Deus continue a te usar para despertar vidas para Cristo. Irmão Daniel Deusdete.